Provável presidente da CPI da Covid diz que impedirá “negociata” do governo

Nome quase certo para presidir a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado, o senador Omar Aziz (PSD-AM) disse que o Brasil “não fez absolutamente nada para impedir a entrada do vírus“, e que ele não vai fazer qualquer tipo de “negociata” que permita ao governo influir na investigação.

As declarações foram feitas neste domingo (18.abr.2021) à GloboNews.

“Em outubro de 2019, todos os cientistas, as pessoas que trabalhavam no Ministério da Saúde já sabiam que a pandemia ia chegar no Brasil. O Brasil não fez absolutamente nada para impedir a entrada do vírus no início. E eu vou ficar pensando em negociata com o governo? Com pessoas morrendo de oxigênio no meu Estado? Não tem como. Não tem a menor possibilidade disso”, disse Aziz.

O presidente da CPI é o responsável por conduzir os trabalhos da investigação. É ele quem determina as fases que o colegiado vai seguir e o ritmo dos trabalhos.

Aziz se apresenta como um congressista independente, ou seja, não está na base nem na oposição. Mas sinalizou, durante a entrevista, que terá uma conduta de linha dura.

Não queremos crucificar ninguém antecipadamente, e sim investigar os fatos. Por que não teve oxigênio para o povo do Amazonas? Por que não fizemos acordo para comprar vacina? Nós temos relações comerciais com o mundo todo, o Brasil não tem inimigos, e nós temos dificuldade de trazer insumos para produzir vacinas”, declarou.

O senador afirmou que tem interesse em ouvir Ernesto Araújo, ex-ministro das Relações Exteriores, sobre as tratativas internacionais. Além disso, quer explicações de ex-integrantes da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) sobre a demora da agência para liberar o uso da vacina russa Sputnik V.

Na entrevista, Aziz também confirmou a indicação do senador Renan Calheiros (MDB-AL) para a relatoria da CPI, mesmo com a resistência do governo.

O relator é o responsável por elaborar o relatório final do colegiado e tem grande influência sobre os trabalhos de investigação.

Mas a confirmação do nome se dará quando o colegiado for instalado, o que deve ocorrer na 5ª feira (22.abr.2021).

No último domingo (18.abr.2021), apoiadores do presidente iniciaram uma campanha no Twitter contra a indicação de Calheiros para a relatoria.

Renan é crítico ao governo federal e tem demonstrado apoio ao petista e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que deve ser o principal adversário de Bolsonaro na disputa pelo Planalto nas eleições de 2022.

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.